19 de mar de 2015

Resenha/Livro: O Diário de Anne Frank


Olá pessoal, tudo bem? Nesse post decidi que escreveria uma resenha de um livro que li há bastante tempo: O Diário de Anne Frank. Comecei a lê-lo no dia 17/10/13 e terminei no dia 22/10/13. Não foi um livro que li por livre e espontânea vontade mas desde antes de meu antigo professor de Filosofia mandar nós lermos, eu já queria tê-lo em minhas mãos. E apesar de ser um livro do qual fui obrigada a ler, não me arrependo nem por um segundo de ter lido. Esse é um daqueles livros que você tem orgulho de dizer que sabe da história. Esse é, definitivamente, um dos meus livros preferidos da VIDA! Então, se você espera que eu tenha alguma crítica sobre ele no decorrer desse post, sinto muito, mas só tenho coisas boas ao falar dessa obra prima. Vamos para a resenha?







Título Original: Het Achterhuis - Dagboekbrieven 15 juni 1942 - 1 augustus 1944 (Em neerlandês, a língua do diário original)
Autor: Anne Frank
Editora: Nova Ortografia- BestBolso (minha edição)
Ano: 1947
Páginas: 373





Sinopse
Anne Frank nasceu em 1929, na Alemanha, filha de um banqueiro e de uma dona de casa. Aos 4 anos de idade, Anne foi obrigada a sair do país com sua família após a chegada de Adolph Hitler ao poder. Em 1942, com a perseguição aos judeus deflagrada também na Holanda, Otto Frank, sua mulher e suas filhas unem-se a mais quatro pessoas e decidem se esconder de invasores alemães. Por dois anos, até serem delatados, eles tiveram que viver limitados ao anexo do sótão do escritório de Otto Frank. No esconderijo, o diário de Anne era o único instrumento de liberdade que ela possuía, e, nele, relatou a vida cotidiana do Anexo Secreto, as transformações sofridas por cada um dos que ali residiam e a angústia daqueles dias. Anne Frank morreu de tifo, no campo de concentração Bergen-Belsen, aos 15 anos de idade. 

Opinião
Bom, antes de qualquer coisa, é preciso dizer: se você não leu esse livro, não sei por que está perdendo tanto tempo. Mesmo que não seja o tipo de livro que você goste de ler ou imagina que não vá gostar, provavelmente você mudará de opinião no decorrer da história. Obviamente não é um livro de aventura e ação por se passar a maior parte do tempo no Anexo Secreto, onde eles viviam isolados de tudo e todos, se escondendo dos nazistas. Porém, a maneira como Anne escreve, sobre cada pessoa no espaço, como é a convivência, a guerra e principalmente a maneira como ela se sente sobre tudo, nos prendem a história. É um clássico que deveria ser lido por todos.
Enfim, como já deu para notar, eu amo esse livro. Fui obrigada a lê-lo em um curto período de tempo então provavelmente isso tenha me cansado no decorrer da leitura na época, mas de qualquer forma, não deixei de gostar do livro. Assim que o terminei, mesmo que o professor não tivesse pedido, fiz uma pequena resenha sobre ele, dizendo de que maneira ela fez com que eu me sentisse e o que eu achei da história. Lendo o que eu escrevi a dois anos atrás, eu não mudaria nada. Eu amei aquele livro naquela época e irei amá-lo provavelmente até o fim da minha vida.
Anne ganhou seu diário um pouco antes de ter que se mudar para o Anexo Secreto, então no início do livro temos relatos sobre como sua vida era antes da mudança acontecer. Como ela contava sobre seus colegas de sala, sua relação com suas amigas e como ela costumava ter vários admiradores... Coisas normais de uma vida normal de uma pré-adolescente normal. Porém esse período de calmaria passa depressa, e então podemos notar a diferença de vida no Anexo. Conforme o tempo passa, podemos notar o quanto sua visão sobre as coisas que ela escrevia muda, e o quanto ela amadurece tão rápido no decorrer da história.  E essa é uma das coisas que mais admiro em Anne.
Apesar de ter vários momentos do livro onde ela conta sobre coisas pessoais como sua relação com sua mãe, irmã e outros moradores do Anexo e em como eles se envolviam em tantas brigas e como ela se sentia com tudo isso, Anne era uma garota incrivelmente positiva e madura para sua idade.
Enquanto ela vive trancada com outras pessoas por dois anos dentro do Anexo, sem poder sair ou ao menos olhar para o lado de fora, ela continua extremamente esperançosa e positiva em relação à guerra. Ao contrário do que provavelmente eu faria, que seria chorar todos os dias e dizer que as coisas jamais iriam ficar bem novamente, Anne sempre dizia o quanto era sortuda por estar escondida, o quanto a vida era bonita e como podemos encontrar a felicidade em cada pequena coisa que existe. Dizia que quando a guerra acabasse e ela pudesse sair do Anexo, ela seria uma escritora famosa. E mesmo com tantas mortes, tantas desgraças, Anne continuava acreditando que as pessoas eram boas. Essa é uma das principais características que me fizeram ficar tão emotiva em relação a esse livro. Anne jamais pensara que fosse parar em um campo de concentração. Anne jamais vira as coisas de forma negativa. Sua alma era repleta de esperança e positividade.
O Diário de Anne Frank é um clássico que tenho o maior orgulho de ter lido e recomendo infinitamente para todos que ainda não leram. Todos deveriam ter acesso a incrível jornada de Anne. Todos deveriam ter acesso a essa obra prima.

Spoilers
Não há muito o que dizer nessa categoria, já que a história de Anne é conhecida por todos no mundo inteiro, mesmo por aqueles que nunca leram o livro ou assistiram ao filme. Porém, de qualquer forma, tentarei escrever alguma coisa.
Apesar desse livro ser um dos meus favoritos, houveram algumas coisas que me incomodaram um pouco em Anne. Como por exemplo, sua relação com sua mãe e certas vezes, sua irmã. Em muitas partes do livro, a autora escreve de maneira ofensiva a sua mãe, por ser um membro da família da qual ela não tem muita afinidade, assim como sua irmã. E apesar de entendê-la em certos casos, como o fato de conviver com essas pessoas de uma forma diferente ser mais difícil e haver sempre certos conflitos em relação a coisas pessoais ou até mesmo sobra a guerra, sempre achei que Anne foi um pouco injusta com sua mãe. Sempre imaginei que, ao contrário de seu pai, sua mãe e sua irmã não tinham a mesma facilidade de se aproximar e conversar. Portanto, em minha imaginação, a Sra. Frank e sua filha mais velha mereciam um pouco mais de carinho e paciência por não ter tal facilidade de se aproximarem de Anne. 

Personagens
Os personagens do livro são: Anne Frank, Edith Frank (mãe de Anne), Otto Frank (pai de Anne), Margot Frank (irmã de Anne), Petronella Van Daan (moradora do Anexo), Hans Van Daan (morador do Anexo e marido de Petronella), Peter Van Daan (morador do anexo e filho de Petronalla e Hans), Kraler (uma das pessoas que ajudaram a família Frank e os outros moradores do Anexo a se esconderem), Albert Dussel (morador do Anexo), Miep Gies (uma das pessoas que ajudaram a família Frank e os outros moradores do Anexo a se esconderem).
Todos os personagens do livro são descritos, obviamente, pela visão de Anne. Portanto, é indicado que você leia o livro esperando algumas ofensas a cada um deles, senão todos. É compreensível que se haja desentendimentos quando tantas pessoas vivem juntas em um único espaço sem poderem sair ou ao menos respirar o ar puro do lado de fora do Anexo, sendo obrigados a se acostumarem às maneiras uns dos outros, opiniões e etc. Por esse motivo, conforme a leitura, é impossível não sentir raiva de algumas pessoas como Anne sentiu.
Entretanto, apesar de todo o ódio que senti, no final acabei pensando e penso até hoje: “essas pessoas são algumas das milhares de pessoas corajosas que existiram naquela guerra, e mesmo não gostando delas em certos pontos do livro, eu teria o maior prazer e orgulho de conhecê-las”. 

Capa
A edição que tenho do meu livro eu recebi do Kit Escolar da minha escola, ou seja, não é a capa que eu mais gosto na minha estante. Há outras edições do livro que eu gostaria de ter, porém, perto do que é contado no livro, a importância da capa desaparece. 



Nota:


Então é isso pessoal, fiz essa resenha porque senti que não me sentiria bem se não a fizesse, já que esse livro é um marco histórico, um clássico e um dos meus favoritos. Anne sempre será uma inspiração e sempre estará no meu coração; e espero que com o que eu escrevi, ela também esteja nos seus!
Até mais!

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Livro maravilhoso e sua resenha faz jus a ele! ! !

    ResponderExcluir
  2. Sou louca em ler esse livro! Sua resenha foi incrível!! Só me deixou com mais vontade rs

    devaneiosdeinverno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom!! Não perca tempo e leia logo esse livro, sério haha
      Obrigada <3

      Excluir

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team